" /> Bairro Antonio Bezerra. Com. Br -
   
   

Pesquisa no Site

Entrar

Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.

Livro de Visitas

Nossa Cidade

Sobre o Site

Menu

imag1
Home / Pe. Josefino Cabral

Praça Pe. Josefino Cabral


1 – Bairro: Antônio Bezerra.

2 – Localização: Ruas São Vicente, Padre Perdigão, Tomaz Rodrigues e Professora Raimunda Adélia. Em frente ao Grupo Joaquim Nogueira.

3 – Histórico da criação: Lei 1671/16/12/1960, publicada no D.O.M 2085/26/12/60. Gestão do prefeito Manoel Cordeiro Neto,Secretário Raimundo Girão.(Nomenclatura de 1960).
OBSERVAÇAO: Na década de 70 a Praça era ativada. Já está nela construída uma delegacia policial. Possui uma quadra de esportes, pista de Skate e um centro comercial.

4 – Dados biográficos do titular:

Nasceu em Taguaruçu, Minas Gerais, a 4 de fevereiro de 1895.
Era filho de josefino de Ávila Cabral e de D. Guilhermina Idalina de Lima Cabral. Dizem ter sido uma criança dotada de grande percepção, de inteligência rara.

   Escolhendo a carreira eclesiástica, entrou para o Seminário de Petrópolis a 17 de abril de 1913; por ocasião, terminou o curso de professor em 17 de abril de 1915, tendo lecionado no seminário daquela cidade de 1921 a 1923.

   Em 1916 foi para Dax, na França, seguindo em 1919 para Roma, onde se ordenou no dia 3 de abril de 1920.
Ainda na Itália, cursou o “Pontificium Institutum Internationale Angelicum” (Pontifício Colégio Angélico dos Padres Dominicanos).
Paris e Roma foram portanto os dois pólos do saber. Chegou duas vezes laureado, em Doutor em Filosofia e em Teologia.

   Em 1923 veio para o Ceará, trazendo-nos benefícios com sua inteligência ímpar, sua cultura inigualável.
Aqui, foi professor do Seminário de fortaleza(setembro de 1923) e, em 1942, Reitor desse Seminário até 1950.

   Foi então para a Igreja de Antônio Bezerra, tendo-se ali transformado num grande batalhador em prol do desenvolvimento do Bairro. Dedicou-se com afinco á construção da Escola apostólica. A planta era dele; dele a administração; dele também as brigas quando as cousas não saíam nos planos dos seus traçados. E vimos a batina que devia ser rubra como a dos bispos, toda manchada de cal como as roupetas do pedreiros. E vimos o sangue dos trabalho pesados.

   Em 1950, já com a saúde abalada, teve o pavor da inércia. Não voltou mais ao ensino. Consagrou-se aos trabalhos materiais. Quis terminar o Seminário Lazarista que ele tanto dignificou e estimou.

   O Padre Cabral (nome com que era tratado) foi um grande mestre. A precisão com que dissecava uma tese, a concisão de uma resposta à altura, tornou-o querido e respeitado por todos os seminaristas, seus alunos. Nunca um só foi tão útil a tantos. E ao lado do saber estava a capacidade de trabalho.

   Homem de caráter humilde, apesar de duas formaturas, nunca escrevia o Dr. Antes do nome nem queria que o tratassem por tal. Era simplesmente padre. Jamais se viu o seu anel de laureado. Fugia às festas sociais para conservar-se incógnito.

   Piorando a saúde, teve de internar-se na Santa Casa , onde passou dois anos. Ia morrendo aos poucos. Paralítico, comentava com os amigos que nunca imaginou ter tanta paciência e resignação de ficar acamado, sem trabalhar.

   Mortas as pernas, ameaçado de parar o coração, o cérebro trabalhava. Prostrado, escreveu os Estatutos de uma Associação de amparo aos pobres de Antônio bezerra, pediu e recebeu as primeiras ofertas.

   Na véspera da morte fez uma compra de material elétrico.
   Finalmente, no dia 13 de novembro de 1961, faleceu, cercado do carinho dos que cumpunham a Santa Casa, de seus amigos, dos coirmãos Lazaristas, das irmãs de Caridade, do clero secular, dos ex-alunos do Seminário, que mais se destacavam num testemunho de amizade.

   Segundo seus biógrafos, “as lições não se perderam nos ventos do deserto; os seus ensinamentos continuam a ser bússola de nossa orientação moral. O seu exemplo, depois da morte, guia ainda os nossos passos. As emoções que nos sacodem a alma fazem-nos exclamar como o homem do povo diante do Mestre.- Nunca homem nenhum falou como este homem. Morrendo para o tempo, nasceu para a eternidade. Ele não morreu para ser destruído. Era um gênio e os gênios não morrem”.

 

José Acioli                         Voltar p/ Tour

 

Indique esta página a um amigo! Preparar para Impressão

Publicidade

Colunas BAB

Por Rossana_Brasil

Contagem regressiva ...

29 Dec 2020
...No ano que vem, eu irei emagrecer, parar de fumar, arrumar um amor, praticar exercícios, ganhar dinheiro, mudar de emprego e por aí vai...
Por leonardofsampaio
Este é um instrumento que tem por finalidade divulgar produções literárias, poéticas, culturais e ambientais

Vende-se um açude!!!

16 Mar 2020
"...Pelo visto, não basta só se indignar, é necessário gritar, ou até acampar exigindo atitudes dos gestores públicos..."
Por VALENTIM

Os precursores da fotografia no Antônio Bezerra

27 Jan 2020
"...Outro foto bastante conhecido dos moradores de Antonio Bezerra foi o saudoso “Foto Iracema” pertencente inicialmente ao Luiz Magrinho, localizado na Rua Hugo Victor nº 44..."
Por Robson
Conteúdo sobre a RCC, Renovação Carismática Católica

Vamos ser julgados!

04 Jan 2021
...Olhe para você. Tens cuidado de você? Você é uma casa, comprada por um alto preço! Tens cuidado de você?...