" /> Bairro Antonio Bezerra. Com. Br - A dimensão social da evangelização
   
   

Pesquisa no Site

Entrar

Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.

Livro de Visitas

Nossa Cidade

Sobre o Site

Menu

A dimensão social da evangelização imag1
 Colunas BAB 
HomeColunas BABPe. Almir Magalhães • A dimensão social da evangelização

Pe. Almir Magalhães

A dimensão social da evangelização

Imprimir artigo Enviar este artigo para um amigo. 
O título desta reflexão se refere ao capítulo IV da Exortação Apostólica alegrtia, (Evangelii Gaudium em latim) do Papa Francisco, de 24/11/13. Partilho aqui de algumas ideias do referido texto. Temos hoje um cenário de Igreja hegemônico, que basicamente descarta a presença pública da Igreja, a questão social e é marcado por um perfil eminentemente pós-moderno ou de uma sociedade líquida, como queiram. O texto do Papa é uma ajuda para a mudança de rumos.

Ressalte-se que este capítulo compreende mais de sessenta páginas, ficando evidente que farei escolhas, em função do espaço que me é permitido.

O Papa evidencia que a proposta do Evangelho não consiste só numa relação pessoal com Deus e que nossa resposta de amor também não deveria ser entendida como uma mera soma de gestos pessoais a favor de alguns indivíduos necessitados, o que poderia constituir uma “caridade por receita”, uma série de ações destinadas apenas a tranquilizar a própria consciência. A proposta é o Reino de Deus (cf. Lc. 4,43)... na medida que Ele conseguir reinar entre nós, a vida social será um espaço de fraternidade, de justiça, de paz, de dignidade para todos. Por isso, tanto o anúncio como a experiência cristã tendem a provocar consequências sociais. (cf. EG, n.180).

Open in new window


Já é de domínio público que o Papa Francisco tem um estilo de se expressar com simplicidade e objetividade. Penso que ele levanta uma questão interessante e que toca profundamente este perfil predominante do modo de ser Igreja, quando afirma que “Já não se pode afirmar que a religião deve limitar-se ao âmbito privado e serve apenas para preparar as almas para o céu mas que Deus deseja a felicidade de seus filhos também nesta terra e que Deus criou todas as coisas para “nosso usufruto”( I Tm 6, 17) e que todos possam usufruir delas. Por este motivo, a conversão cristã exige rever “especialmente tudo o que diz respeito à ordem social e a consecução do bem
comum”(cf. EG n. 182).

Ora, esta é justamente a análise que pastoralistas e sociólogos da religião fazem hoje: temos um modo de expressar a religião de modo intimista, privado, “eu e meu Deus” numa direção verticalista, esquecendo-se do que se passa ao seu redor, das relações com o próximo, não importando-se com a relação fé x vida.

Não por acaso as últimas diretrizes da Igreja no Brasil, Doc. 94 da CNBB, afirmam: que o discípulo missionário observa, com preocupação, o surgimento de certas práticas e vivências religiosas, predominantemente ligadas ao emocionalismo e ao sentimentalismo, busca-se a própria satisfação, prescinde-se do bem maior, o amor de Deus e o serviço aos semelhantes. (Cf. Doc. 94 da CNBB, n. 22). Na mesma linha o Papa Emérito no discurso de abertura da Conferência de Aparecida chamou a atenção para o significado de santidade, afirmando que ela não é fuga para um intimismo ou individualismo religioso, tampouco o abandono da realidade urgente dos grandes problemas econômicos, sociais e políticos da América Latina e do mundo, e muito menos fuga da realidade para um mundo exclusivamente espiritual (cf. DAp n. 148 e Discurso Inaugural do Papa n. 3).


No documento que estamos refletindo, Papa Francisco alerta para o fato de que “ninguém pode exigir-nos que releguemos a religião para a intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida social e nacional sem nos preocupar com a saúde das instituições da sociedade civil, sem nos pronunciar sobre os acontecimentos que interessam aos cidadãos... uma fé autêntica – que nunca é cômoda nem individualista – comporta sempre um profundo desejo de mudar o mundo, transmitir valores, deixar a terra um pouco melhor depois de nossa passagem por ela” (EG n. 183).


Finalizando, tudo isto nos leva a refletir sobre a vida é ameaçada, negada, desrespeitada e banalizada e, neste sentido o capítulo 25 do Evangelho de Mateus é o horizonte, o gabarito para o “vestibular final” que começa aqui e agora e nos permite dizer que os aplausos ao Papa Francisco, frutos de seus pronunciamentos acompanhados de gestos e de testemunhos, são um momento muito especial para nós cristãos e a Igreja, pois se nós temos ouvidos para ouvir, então ouçamos o que o Espírito de Deus diz às Igrejas (cf. Apocalipse, 2,7.11.17.29; 3, 6.13.22).


Almir Magalhães é padre da Arquidiocese de Fortaleza e diretor da Faculdade Católica de Fortaleza
Pe. Almir Magalhães:
| Este artigo ainda não foi avaliado | 0.
  1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  

Níver BAB

Publicidade

Colunas BAB

Por Rossana_Brasil

Retrato de um espelho!

15 Jun 2020
Cada um devendo respeitar a subjetividade do outro. O que passar disso é qualquer coisa, menos amor.
Por leonardofsampaio
Este é um instrumento que tem por finalidade divulgar produções literárias, poéticas, culturais e ambientais

Vende-se um açude!!!

16 Mar 2020
"...Pelo visto, não basta só se indignar, é necessário gritar, ou até acampar exigindo atitudes dos gestores públicos..."
Por VALENTIM

Os precursores da fotografia no Antônio Bezerra

27 Jan 2020
"...Outro foto bastante conhecido dos moradores de Antonio Bezerra foi o saudoso “Foto Iracema” pertencente inicialmente ao Luiz Magrinho, localizado na Rua Hugo Victor nº 44..."
Por Robson
Conteúdo sobre a RCC, Renovação Carismática Católica

O Bom Pastor!!!!!!

15 May 2020
O conceito da palavra “salvação” vem do grego sötëria de onde a tradução nos remete a cura, remédio. No latim, salus tinha um significado muito particular na época.