" /> Bairro Antonio Bezerra. Com. Br - Faltou onda para Medina e sobrou para Ferreira
   
   

Pesquisa no Site

Entrar

Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.

Livro de Visitas

Nossa Cidade

Sobre o Site

Menu

Faltou onda para Medina e sobrou para Ferreira imag1
 Colunas BAB 
HomeColunas BABCotidiano • Faltou onda para Medina e sobrou para Ferreira

Cotidiano

Faltou onda para Medina e sobrou para Ferreira

Imprimir artigo Enviar este artigo para um amigo. 
A disputa pela medalha do estreante surf nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 teve um mar para cada brasileiro. Enquanto que para o multicampeão Gabriel Medina faltou onda, para Ítalo Ferreira, o mar se abriu para a conquista do primeiro ouro olímpico brasileiro, no Japão.

Se para Medina, que poderia ter ido até o fundo do mar provocar netuno por algumas ondas, como mostra na propaganda de um patrocinador, para leigos e até para especialistas seguem as dúvidas de acerca dos critérios de avaliação dos jurados, sobre a vitória de Ferreira não restou dúvida nenhuma. 

No caso de Gabriel, manobras semelhantes tiveram pontuações bem distintas, já para Ítalo, apesar do susto de ter a prancha quebrada logo no início da bateria, o placar inquestionável de 15,14 a 6,60 sobre Kanoa Igarashi, o mesmo que eliminou Medina, fez o potiguar alar do mar o ouro brasileiro na competição.

Com a medalha desta terça-feira, já são duas com o DNA nordestino, se lembrarmos da façanha da maranhense Rayssa Leal que conquistou a prata em outro esporte estreante em Tóquio, o skate. Rayssa é do estado nordestino que teve a mais baixa Renda Per Capita do País, segundo dados do IBGE divulgados em 2020. O Maranhão ficou com uma renda média domiciliar de R$ 635,59, bem distante dos R$ 2.685,76 do Distrito Federal. Aliás, com o DF, as dez primeiras posições nesse ranking privilegiado são de estados do sul, sudeste e centro-oeste. O melhor nortista é Rondônia na 12ª colocação, seguido do Rio Grande do Norte, na 13ª, terra natal de Ítalo Ferreira. Para título de informação, o Ceará ocupa a décima oitava posição, apesar da melhora em relação ao levantamento anterior.

Embora saibamos das discrepâncias entre o Oiapoque e o Chuí, esses detalhes olímpicos reforçam que mais do que diferenças geográficas, o brasileiro precisa mesmo é de oportunidade, seja ele ou ela do norte, nordeste, centro-oeste, sudeste ou sul.

Viva o nordeste e viva o esporte brasileiro.

Open in new window
Cotidiano:
| Este artigo ainda não foi avaliado | 0.
  1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  

Publicidade

Colunas BAB

Por Robson
Conteúdo sobre a RCC, Renovação Carismática Católica

Cada comunidade é uma obra de Deus

20 Sep 2021
Como é o amor quem fortalece nossos vínculos espirituais, podemos faze-los crescer através da oração.
Por Emanuel_Santos

Faltou onda para Medina e sobrou para Ferreira

09 Aug 2021
Viva o nordeste e viva o esporte brasileiro.
Por Rossana_Brasil

A criança que se concentra é imensamente feliz.

20 Sep 2021
...Em segundo lugar, uma atitude essencial para a família: nada de TV ligada nem celulares à mesa. O momento das refeições é um dos pontos mais importantes da convivência em família...
Por VALENTIM

As memórias do circo que conheci na infância

20 Sep 2021
Circo montado. Era hora de sair em carreata pelas ruas do bairro.
Por leonardofsampaio

Dom, está vivo na terra e na eternidade

20 Sep 2021
...Eram pessoas que naquela época não conseguiam falar nem com o Vigário e ali conversavam com o Cardeal quase Papa...