" /> Bairro Antonio Bezerra. Com. Br - Cemitério Público do Barro Vermelho
   
   

Pesquisa no Site

Entrar

Usuário:

Senha:

Lembrar-se



Esqueceu a senha?

Cadastre-se agora.

Livro de Visitas

Nossa Cidade

Sobre o Site

Menu

Cemitério Público do Barro Vermelho imag1
 Colunas BAB 
HomeColunas BABValentim Santos • Cemitério Público do Barro Vermelho

Valentim Santos

Cemitério Público do Barro Vermelho

Imprimir artigo Enviar este artigo para um amigo. 
Não existem registos precisos sobre a existência de um cemitério público nos primórdios da colonização do Barro Vermelho, hoje bairro Antonio Bezerra. Os primeiros registos sobre a existência de cemitério público na cidade de Fortaleza, datam de 8 de maio de 1884, quando foi construído o Cemitério de São Casemiro, localizado no campo da Amélia, hoje Praça Castro Carreira, conhecida como Praça da Estação.

O campo foi construído em 29 de junho de 1830 em homenagem a imperatriz D. Amélia de Leuchetmberg. Foi construído em um campo de treinamento e hipismo. Projetado pelo engenheiro da Província, Juvêncio Manoel de Meneses, por ordem do Presidente da Província José Sarmento. Localizava-se ao lado poente do campo, era murado e tinha uma capela na entrada do terreno que era dividido em dois lados.

Na esquerda ficava o lado conhecido como o campo dos ingleses, onde geralmente eram sepultados os estrangeiros. Por ser próximo da praia, existia uma duna conhecida como Morro do Croata que devido aos ventos e a areia foi aterrando lentamente o cemitério, que foi demolido em 26 de fevereiro de 1886. Foi construído em abril do mesmo ano outro cemitério no bairro de Jacarecanga, como o nome de São João Batista.

Existe registos que em época passada as pessoas serem enterradas nos próprios sítios onde residiam, nas Igrejas ou próxima delas nas zonas mais distantes do centro de Fortaleza. Vários eram os motivos que levavam os moradores a agirem dessa forma. À distância e a falta de transportes dos corpos e por não existir lei sanitária que determinasse a obrigatoriedade dos enterros em cemitérios públicos. Como também a falta dos mesmos em zonas urbanas. A lei surgiu somente em 1902.

Em 1910, surgem os primeiros cemitérios públicos urbanos São José de Parangaba, São Vicente de Paula no Mucuripe em 1912. Em 1930, alguns moradores do Barro Vermelho reuniram-se para a construção de um cemitério no bairro, dentre eles, destacamos: Sr. Manoel Rodrigues Venâncio, Sr. Cizisnando Rodrigues Venâncio, entre outros moradores.

O local escolhido foi um terreno localizado ao lado esquerdo do Patronato da Sagrada Família. Era inaugurado o Cemitério Publico Santo Antonio do Barro Vermelho. Em 1935 com o alargamento das ruas do bairro foi modificada a sua estrutura física, segundo nos informou o Sr. Antonio Braga Venâncio, sobrinho do Sr. Manoel Venâncio.

No cemitério de Antonio Bezerra estão repousando os entes queridos das principais famílias do bairro como: Couto Bezerra, Teixeira Campos, Giffony, Rebuça Brasil, Uchôa, Santos, Bezerra de Meneses, Matos Dourados, Pessoa, Rochas e Mendes, dentre outros.

Os cemitérios, como a igreja, a prefeitura e a câmara, são marcos visuais, ainda na atualidade, dos pequenos centros urbanos. O cemitério atualmente está lotado, sendo necessária sua ampliação. Por conta disso, algumas famílias já utilizam outros cemitérios de Fortaleza.

Open in new window
Valentim Santos:
| Este artigo ainda não foi avaliado | 0.
  1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  

Publicidade

Colunas BAB

Por Robson
Conteúdo sobre a RCC, Renovação Carismática Católica

Vencendo as provações

24 May 2021
Quantos atletas se privam, voluntariamente, para alcançar um melhor resultado. São Paulo usa essa imagem para falar das exigências de anunciar o Evangelho: "Nas corridas de um estádio, todos correm, mas bem sabeis que um só recebe o prêmio.
Por Emanuel_Santos

*A empatia de Heitor e a falta dela no Planalto*

16 Jun 2021
"...Com essa atitude de empatia e amizade, Heitor demonstrou que se importa com o sofrimento do outro..."
Por Rossana_Brasil

Geração sem limites

16 Jun 2021
Crianças que crescem sem limites serão adolescentes extremamente problemáticos
Por VALENTIM
Por leonardofsampaio

Vende-se um açude!!!

16 Mar 2020
"...Pelo visto, não basta só se indignar, é necessário gritar, ou até acampar exigindo atitudes dos gestores públicos..."